A partir de questão de ordem, TJ-BA vai decidir se Jânio Natal perde foro privilegiado

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) vai definir se continuará o julgamento de ações penais contra deputados nas sessões plenárias, ou se remeterá as ações para a primeira instância, quando os crimes não tiverem relação com o mandato. Na sessão plenária desta quarta-feira (13), o desembargador Júlio Travessa levantou uma questão de ordem sobre a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de restringir o foro privilegiado. Os desembargadores do TJ-BA iniciaram na sessão o julgamento de uma ação penal contra o deputado estadual Jânio Natal. O caso é relatado pelo desembargador Pedro Guerra. O deputado é acusado de cometer crimes de responsabilidade na época em que era prefeito de Porto Seguro. O Tribunal de Contas dos Municípios apontou irregularidades que poderiam ser configuradas como infrações penais, por contratações temporárias de servidores fora das hipóteses legais previstas. Na época em que a denúncia foi oferecida à Justiça, Jânio Natal era deputado federal. A ação foi proposta pela Procuradoria-Geral da República perante o Supremo Tribunal Federal (STF). Quando deixou de ser deputado federal e se tornou deputado estadual, a ação foi remetida para ser julgada no plenário do TJ-BA. Para o desembargador Júlio Travessa, quem deve decidir se o processo de Jânio será remetido ou não para a Justiça de 1º Grau é o presidente do TJ ou o relator do caso, mas gostaria de discutir a questão pelas decisões monocráticas que vem deferindo na Câmara Criminal contra prefeitos. Até o momento, cinco ações penais contra quatro prefeitos e um deputado foram remetidas para a Justiça de 1º Grau pelo desembargador, sob o argumento que o foro privilegiado só será mantido quando o crime tiver relação com o mandato atual do agente político (veja aquiaquiaquiaqui e aqui). “Se o STF, que direciona a jurisprudência do país, já entendeu dessa forma no caso dos deputados federais, se a Constituição República entende que deve ser dado aos deputados estaduais o mesmo entendimento que é dado aos deputados federais, e como quem julga e tem poderes para julgar os deputados estaduais são os TJs dos estados, eu acho que essa matéria tem que ser discutida neste momento”, afirmou perante os colegas desembargadores. Travessa ainda afirmou que, se a Corte baiana ficar esperando um caso concreto do STF sobre deputado estadual, “nós nunca vamos deliberar acerca desta matéria”. “Nós temos um caso concreto aqui, que é uma ação penal contra um deputado estadual, que supostamente teria praticado um fato no exercício do cargo de prefeito municipal. Não cabe ao tribunal julgar esse caso concreto a luz do novo direcionamento do STF”, ponderou. O relator do caso, desembargador Pedro Guerra, acolheu a questão de ordem de Travessa pela relevância do tema. Mas lembrou que o processo foi distribuído antes do entendimento do Supremo e, até então, nenhuma das partes – réu e Ministério Público -, havia arguido a questão. Pedro Guerra retirou o processo da pauta para abrir o contraditório das partes antes de dar sua opinião sobre a manutenção do foro ou não. O desembargador Nilson Castelo Branco concordou com a questão de ordem e destacou que tem uma ação idêntica a esta. Ele relata outra ação penal contra Jânio Natal (clique aqui e veja). O procurador de Justiça Adjunto, Gedder Gomes, presente à sessão, faria a sustentação oral da denúncia, mas achou de bom tom a decisão do relator de tirar o processo da pauta e permitir a manifestação do Ministério Público sobre a possibilidade de remessa dos autos para primeira instância. O posicionamento do MP ajudará os desembargadores a decidirem se deputados, com processos já distribuídos, continuarão sendo julgados no Plenário do TJ-BA.

Fonte:Bahianoticias

Outras Notícias

Carletto sugere criação de Ministério da Geração de Emprego e Renda

Após as especulações da extinção do Ministério do Trabalho, no sentido de fundi-lo a outra pasta, e, em contra partid...

*Carletto ressalta necessidade de reestruturação na Reforma da Previdência e na Reforma Tributária*

Dois fatores contribuem atualmente com o rombo orçamentário encontrado nas contas públicas do país, são eles: a previ...

“Governar o Brasil nos próximos quatro anos não será tarefa fácil”, ressalta Carletto

A voz democrática e livre do povo escolheu como próximo presidente do Brasil o então deputado Jair Messias Bolsonaro....

Informativo Parlamentar do Deputado Federal Ronaldo Carletto - Edição de nº 36

O deputado deve promover discussões e encaminhamentos e realizar contatos na busca de soluções para o funcionamento d...

Pronto para morar- Casa no centrão da cidade , sendo: 3 quartos, sala, cozinha, área de serviço e garagem coberta. Valor R$ 320.000,00. Casa com toda documentação ok!

O juiz federal Sergio Moro pode ser o candidato à sucessão de Jair Bolsonaro a presidente da República, de acordo com...

Eleições 2018: Quando será o segundo turno e tudo mais que você precisa saber antes de sair para votar em 25 perguntas

Cerca de 147 milhõesde brasileiros são esperados para votar emtodo o País no segundo turno das eleições.Mas...