Carletto ressalta apoio aos prefeitos e afirma que os cidadãos são os mais prejudicados com a paralisia do Poder Público municipal

Após a paralisação de diversas prefeituras do interior da Bahia, no dia 26 de outubro, organizada pela União dos Municípios da Bahia (UPB), que teve o objetivo de defender a saúde financeira dos municípios, cada vez mais sobrecarregados de tarefas e cada vez menos abastecidos de recursos, hoje (22) é a vez de o Congresso Nacional receber um movimento semelhante, organizado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que tem a finalidade de solicitar ao Poder Executivo um auxílio financeiro. O deputado federal Ronaldo Carletto (PP) demonstrou total apoio às reivindicações dos prefeitos.

 

De acordo com o parlamentar, na desequilibrada Federação brasileira, os municípios vêm enfrentando dificuldades financeiras ao longo de décadas. “A situação é grave. A queda dos investimentos, a baixa arrecadação dos impostos que compõem o Fundo de Participação dos Municípios e outros fatores estão conduzindo as prefeituras rumo à falência. Na Bahia, mais da metade das prefeituras preveem que não conseguirão pagar integralmente o décimo terceiro salário a seus servidores. Estão ocorrendo demissões com o propósito de fechar as contas dentro dos limites estatuídos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Como se vê, os prefeitos têm mesmo razões para reclamar”, ressaltou.

 

O deputado enfatizou que existem projetos que, se aprovados, ajudarão de forma significativa a situação das prefeituras, a exemplo do PL 2.289/2015, do Senado Federal, que prorroga o prazo para que os municípios se adaptem às normas da Política Nacional de Resíduos Sólidos; do PL 3.776/2008, do Poder Executivo, que determina que o piso salarial do magistério público da educação básica seja reajustado pela inflação; e da PEC 212, que cria um novo regime especial de pagamento de precatórios.

 

“A aprovação de todas essas matérias afrouxará a corda no pescoço das prefeituras. Não seria nenhum favor aos prefeitos, e sim aos cidadãos. Eles que são os maiores prejudicados pela paralisia do Poder Público municipal, pois ficam privados de saúde, educação, assistência social e outros serviços imprescindíveis. É em defesa deles que apoio as demandas municipalistas”, concluiu Carletto.

 

Fonte: Ascom do deputado federal Ronaldo Carletto (PP)

Outras Notícias

Bolsonaro aumenta vantagem e chega a 60,9% dos votos válidos, diz Paraná Pesquisas

A vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) no primeiro turno, que já era imensa, tornou-se ainda maior, de acordo com uma pes...

Eurasia: 75% de chance de vitória de Bolsonaro

Bolsonarorecebeu 46% dos votos válidos, e Fernando Haddad (PT) em segundo lugar, teve29%. Anteriormente, a empresa ch...

Extremo Sul elege apenas dois deputados estaduais

O extremo Sul da Bahia só conseguiu eleger dois respresentantes para a Assembleia: Jânio Natal, com 49.497 votos e Ro...

Ex Prefeito Jorge Pontes fica inelegível por 08 anos

Acompanhando  o parecer do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia (TCM-BA), a Câmara Municipal de Santa Cruz...

Multidão acompanha Larissa Oliveira na primeira caminhada de sua candidatura

“Explodiu, viu?!”. Essa expressão utilizada por um popular em Porto Seguro para definir a candidatura de Larissa Oliv...

Eleições 2018: campanha eleitoral está nas ruas

Os candidatos a cargos eletivos nas eleições de outubro já podem realizar campanha a partir desta quinta-feira (16). ...