Carletto ressalta apoio aos prefeitos e afirma que os cidadãos são os mais prejudicados com a paralisia do Poder Público municipal

Após a paralisação de diversas prefeituras do interior da Bahia, no dia 26 de outubro, organizada pela União dos Municípios da Bahia (UPB), que teve o objetivo de defender a saúde financeira dos municípios, cada vez mais sobrecarregados de tarefas e cada vez menos abastecidos de recursos, hoje (22) é a vez de o Congresso Nacional receber um movimento semelhante, organizado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que tem a finalidade de solicitar ao Poder Executivo um auxílio financeiro. O deputado federal Ronaldo Carletto (PP) demonstrou total apoio às reivindicações dos prefeitos.

 

De acordo com o parlamentar, na desequilibrada Federação brasileira, os municípios vêm enfrentando dificuldades financeiras ao longo de décadas. “A situação é grave. A queda dos investimentos, a baixa arrecadação dos impostos que compõem o Fundo de Participação dos Municípios e outros fatores estão conduzindo as prefeituras rumo à falência. Na Bahia, mais da metade das prefeituras preveem que não conseguirão pagar integralmente o décimo terceiro salário a seus servidores. Estão ocorrendo demissões com o propósito de fechar as contas dentro dos limites estatuídos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Como se vê, os prefeitos têm mesmo razões para reclamar”, ressaltou.

 

O deputado enfatizou que existem projetos que, se aprovados, ajudarão de forma significativa a situação das prefeituras, a exemplo do PL 2.289/2015, do Senado Federal, que prorroga o prazo para que os municípios se adaptem às normas da Política Nacional de Resíduos Sólidos; do PL 3.776/2008, do Poder Executivo, que determina que o piso salarial do magistério público da educação básica seja reajustado pela inflação; e da PEC 212, que cria um novo regime especial de pagamento de precatórios.

 

“A aprovação de todas essas matérias afrouxará a corda no pescoço das prefeituras. Não seria nenhum favor aos prefeitos, e sim aos cidadãos. Eles que são os maiores prejudicados pela paralisia do Poder Público municipal, pois ficam privados de saúde, educação, assistência social e outros serviços imprescindíveis. É em defesa deles que apoio as demandas municipalistas”, concluiu Carletto.

 

Fonte: Ascom do deputado federal Ronaldo Carletto (PP)

Outras Notícias

Dirigente do PSOL de Porto Seguro condena 13º salário para prefeitos e vereadores

Ex-candidato a prefeito de Porto Seguro pelo PSOL, e professor da Universidade do Estado da Bahia, Francisco Cancela,...

Carletto já tem quase 17 deputados, diz coluna

Pré-candidato ao Senado, o deputado federal Ronaldo Carletto já reúne cerca de 17 deputados em sua órbita de influênc...

Cabrália: ex-prefeito Jorge Pontes tem contas reprovadas e terá de devolver quase R$ 300 mil

Aconteceu o que a maioria da população de Cabrália esperava, as contas do exercício de 2016 do ex-prefeito Jorge Pont...

Projeto de lei torna inelegível político indultado após condenação pela Ficha Limpa

Um projeto de lei em tramitação na Câmara Federal torna inelegível o político que for indultado, após condenação pela...

Em cerimônia na câmara de vereadores, Carlos Lero é empossado prefeito em Cabrália

A Câmara Municipal de Santa Cruz Cabrália, em atendimento à decisão do TRF1 – Tribunal Regional Federal da 1ª Região ...

PREFEITO AGNELO, DO MUNICÍPIO DE CABRÁLIA, ESCLARECE:

Sinto-me na obrigação de prestar, a toda a minha comunidade do município de Santa Cruz Cabrália e a quem mais possa i...