Ação contra Jânio Natal é prescrita no TJ-BA após falha de desembargador

O Pleno do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) declarou a prescrição da punibilidade ao deputado Jânio Natal, de crimes imputados pelo Ministério Público (MP-BA), por dispensa de licitação enquanto era prefeito de Porto Seguro, no sul do estado. Ele foi denunciado pelo crime previsto no artigo 89 da lei 8666/93, com pena máxima de quatro anos de detenção. A prescrição, ocorrida em 31 de dezembro de 2016, foi reconhecida na manhã desta quarta-feira (10).  De acordo com o relator da denúncia, desembargador Júlio Travessa, o caso prescreveu por morosidade, e principalmente, porque, de setembro de 2015 a março deste ano, o processo estava nas mãos de um desembargador incompetente para relatar o caso. No período, a denúncia do MP esteve sob os cuidados do desembargador Baltazar Miranda, que atua em área cível e não criminal, como deveria ser. Júlio Travessa relatou toda a movimentação do processo, que chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF) enquanto Jânio Natal era deputado federal, por conta do foro privilegiado. O processo voltou ao TJ quando ele passou a ser deputado estadual. Os crimes de dispensa de licitação e de praticar atos sem recursos em caixa, já no fim da gestão como prefeito, aconteceram no ano de 2008. A denúncia foi aberta em abril de 2011, a partir de uma provocação do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Em meio a esse tempo, a defesa de Jânio também pediu prorrogação de prazos para reunir provas e documentos. O caso teve três relatores. O desembargador Mario Hirs foi o primeiro, mas se declarou impedido. Em um sorteio, o caso ficou com o desembargador Baltazar Miranda. Após o reconhecimento de que ele não detinha competência para julgar o caso, o processo foi sorteado para Júlio Travessa. A defesa de Jânio Natal pediu a rejeição por inépcia da denúncia, por não ter ficado demonstrado o motivo real da acusação, ausência de justa causa para deflagrar a ação penal, além de não terem ficado configurados os danos reais pela conduta do político enquanto prefeito. Segundo Júlio Travessa, o desembargador Baltazar praticou atos “que não se coaduna com a lógica sequencial do procedimento em questão”, tendo expedido um despacho no último dia antes do recesso de fim de ano, dia 19 de dezembro de 2016, para ouvir o Ministério Público sobre os fatos denunciados, sendo que o próximo ato deveria ser o pedido de julgamento. Durante a sessão plenária, o atual relator da denúncia disse que a irregularidade do trâmite do processo “se torna ainda mais perceptível quando se verifica que essa demanda criminal, em verdade, tramitou de 14 de outubro de 2015 a 22 de março de 2017 em desembargadoria com competência cível, conforme o próprio julgador antecedente veio a reconhecer, embora tardiamente, em contrariedade ao disposto no regimento interno deste egrégio Tribunal de Justiça”. Travessa frisa que o regimento, nesses casos, determina que a distribuição do processo de competência do Tribunal Pleno seja feita em conformidade com a matéria, e que os desembargadores, de forma geral, recepcionem ações diretas de inconstitucionalidade e incidente de arguição de inconstitucionalidade. Para o relator, a especialização dos desembargadores proporciona “maior eficiência na prestação jurisdicional”.

Desembargadores Júlio Travessa e Baltazar Miranda | Fotos: Divulgação

Travessa pontua que, se Baltazar tivesse reconhecido a “incompetência do órgão perante o qual atua, de forma célere, como efetivamente deveria ser”, provavelmente o caso não teria prescrito. No total, segundo os cálculos de Travessa, foram 336 dias para Baltazar pedir a redistribuição do caso. Ele questionou se há outros processos no gabinete do desembargador na mesma situação e diz que sua intenção é alertar Baltazar para que verifique os casos para evitar novas prescrições.  O desembargador também ressaltou que não quis insinuar que Baltazar “agiu de má-fé”, mas que, como relator, tem o dever de “elucidar todos os fatos processuais observados”, diante do “prejuízo de natureza bastante grave”, que impediu o tramite do processo penal contra Jânio, e pediu que a Presidência do TJ adote as providências cabíveis no caso. A procuradora de Justiça adjunta Sara Mandra, em um esclarecimento, afirmou que para o MP-BA não há prescrição, pois entende que o crime era continuado e, desta forma, a pena só prescreveria em 2020. O desembargador Baltazar, em resposta a Júlio Travessa, também disse que entende que não há prescrição, e que já havia elaborado um voto, de 16 páginas, para o recebimento da denúncia. Também ressaltou que se a prescrição ocorreu, foi no período do recesso forense de fim de ano. Sobre o despacho antes do recesso, disse que a defesa de Jânio levantou algumas questões preliminares que, “pelo princípio da ampla defesa e contraditório, teria que escutar o Ministério Público”. Segundo Baltazar, foi em um grupo de discussão de desembargadores que ele descobriu que não poderia relatar o feito por ser da área cível e não criminal. O alerta teria sido dado por desembargadores criminais, como Nilson Castelo Branco e Pedro Guerra. Já a desembargadora Ivone Bessa teria dito a ele para não se afastar do caso. Por maioria dos votos, foi reconhecida a prescrição do caso. 

Outras Notícias

Dirigente do PSOL de Porto Seguro condena 13º salário para prefeitos e vereadores

Ex-candidato a prefeito de Porto Seguro pelo PSOL, e professor da Universidade do Estado da Bahia, Francisco Cancela,...

Carletto já tem quase 17 deputados, diz coluna

Pré-candidato ao Senado, o deputado federal Ronaldo Carletto já reúne cerca de 17 deputados em sua órbita de influênc...

Cabrália: ex-prefeito Jorge Pontes tem contas reprovadas e terá de devolver quase R$ 300 mil

Aconteceu o que a maioria da população de Cabrália esperava, as contas do exercício de 2016 do ex-prefeito Jorge Pont...

Carletto ressalta apoio aos prefeitos e afirma que os cidadãos são os mais prejudicados com a paralisia do Poder Público municipal

Após a paralisação de diversas prefeituras do interior da Bahia, no dia 26 de outubro, organizada pela União dos Muni...

Projeto de lei torna inelegível político indultado após condenação pela Ficha Limpa

Um projeto de lei em tramitação na Câmara Federal torna inelegível o político que for indultado, após condenação pela...

Em cerimônia na câmara de vereadores, Carlos Lero é empossado prefeito em Cabrália

A Câmara Municipal de Santa Cruz Cabrália, em atendimento à decisão do TRF1 – Tribunal Regional Federal da 1ª Região ...